Próximo Episódio...
6x05 - “Street Rats”
jorge postou isto no dia 11 de dezembro de 2015.

Por termos algum tempo até março, Morrison e O’Donoghue ficaram mais que felizes sobre conversam sobre os acontecimentos chocantes do episódio quando o Mashable foi ao set da série em Vancouver.

Primeiro, Morrison teve um intervalo nas gravações para responder perguntas sobre as motivações de Emma e sobre ela perder quem amava de tudo o que fez para salvá-lo.

Por que você acha que Emma decide que a melhor coisa para ela fazer é se sacrificar?

Eu acho que, em última análise Emma sabe que ela é responsável pelo que aconteceu, e é profundamente perturbador e conflitante para ela chegar a essa conclusão – não porque ela não quer salvar todo mundo, mas porque ela evoluiu. Ela cresceu tanto nesta jornada, e ela chegou a um lugar onde ela está em paz consigo mesma. E parte dessa força vem da paz  de dentro de si mesma, e ela sabe que tem de assumir a responsabilidade por sua decisão, e ela quer fazer o que for preciso para salvar as pessoas com quem preocupa. Ela não vê outra opção.

Qual está a magia de Emma depois desse episódio?

Ela está de volta à magia de Salvadora. Essa magia está intácta. Há uma menção de que na chegada ao Mundo Inferior, qualquer pessoa que lida com magia fica um pouco abalado, mas Emma vão vê problema. Então, ela está de volta à sua verdadeira forma de Salvadora em termos de magia muito rapidamente.

O quanto Emma sabe sobre o passado de Hook e Regina?

Eu acho que tem algumas partes do que aconteceu que ela vai saber porque eles estão se uniram. Partimos da ideia de suposição de que certas coisas são compartilhadas fora da tela e há certas partes que cada personagem está compartilhando entre si, mesmo que o público não veja… ela provavelmente sabe do básico, mas ela não sabe dos detalhes.

O que Emma acha do sacrifício de Hook?

Acho que ela sabe como é ter a escuridão dentro de você agora que ela já foi a Dark One e ela sabe como funciona a escuridão. Ela sabe de suas manipulações e seu poder. Seu ego não está envolvido quando se trata das escolhas de Hook uma vez que a escuridão está dentro dele. Ela é muito consciente do que está tomando conta dele e por que isso está acontecendo. Mas em termos de ele tomar a decisão de fazer o sacrifício, ela está devastada, porque ela se sente responsável e sente como se devesse ser ela. Ela lutou muito para mantê-lo vivo e agora ela vai perdê-lo de qualquer maneira. Mas ela sabe que não pode negar isso a ele, porque isso é exatamente o que ele estava dizendo a ela, em primeiro lugar, que era: “Você deveria ter me deixado morrer quando eu fui machucado pela Excalibur” e ela não conseguiu deixar ele morrer. Ela se segurou a ele de forma egoísta. Ela fez isso porque queria mantê-lo com ela e agora ela sabe que essa escolha não vai salvá-lo e nem ninguém e, infelizmente, ela vai ter que desistir.

É seguro dizer que todo mundo vai culpar Gold de alguma forma?

Gold é com certeza considerado responsável por tirar o ato de heroísmo que Killian ofereceu, de modo que é onde a traição é mais forte, porque ele realmente teve que superar muita coisa. É evidente que a escuridão tinha muito controle sobre ele e o verdadeiro homem que ele é teve que superar muita coisa para fazer a ‘coisa certa’, que era se sacrificar. Em última análise, ele pensou que estava se sacrificando por um bem maior, que seria destruir toda a escuridão para sempre, não ser apenas o Dark One. Ele pensou que estava fazendo isso por um bem maior e que faria um sacrifício eterno, de certa forma. Isso tudo foi tirado dele, então essa é a raiz da traição pela qual todos vão culpar Gold.

Na entrevista abaixo, O’Donoghue dá sua opinião sobre o sacrifício de Hook e o que aprendemos sobre o seu segredo no passado com a Rainha Má, no flashback.

Vamos falar do sacrifício. Foi o amor por Emma que deu o empurrão para Hook ou foi mais que isso?
Colin O’Donoghue: Primeiramente é seu amor por Emma que o faz vencer a escuridão e perceber o que ele fez, e ele está disposto a se sacrificar e se condenar ao inferno para salvá-la, o que é uma coisa grandiosa de se fazer. Acho que as pessoas — certamente os fãs de Hook e Emma — verão que no fundo ele realmente ama ela e o poder desse amor é o que quebra a escuridão e o ajuda a perceber que o caminho escuro que ele tomou não está certo. Ele está disposto a ir para o inferno.

É um momento bem emocional pra eles, Emma e Hook, porque ela pede pra sacrificar ele e matá-lo, e ela naturalmente não quer fazer isso mesmo que tenha dito que faria o necessário pra proteger a familia. Mas, essencialmente ele é o homem que ela ama e ela é a mulher que ele ama.

Fiquei também extasiado com o flashback que Hook mata o pai e com o papel de Regina nisso.
Acho que isso dá um pouco de sabor ao tipo de escuridão que Hook se rendeu quando era mais jovem, e porque e como a escuridão pôde ter controle dele agora. O pai traiu ele, e Hook vê que ele está prestes a fazer isso com o novo filho também. Nesse momento, há tanta raiva e ódio e ele se vê no garotinho, então sacrifica o pai.

Regina essencialmente arquitetou isso, e esse era o segredo deles — que ela tinha parcela nisso. Foi interessante para mim ver a relação dele com seu pai. Sabe, o quão triste era o personagem Hook antes de conhecer Emma e perceber que ele podia tentar se perdoar porque alguém estava disposto a amá-lo.

Você diria que matar seu pai foi o que mudou Hook no passado?
Ele mudou antes disso para se tornar o Capitão Gancho, mas matar o pai é uma coisa bem grandiosa [risos]. Essencialmente, ele estava disposto a ajudar o pai. Regina o coloca para matá-lo, e Hook estava para fazer isso quando o pai lhe dá um pouco de esperança e Hook pensa que ele está pronto pra se redimir. Hook está disposto a salvá-lo até que ele o vê com o garotinho e prestes a fazer o mesmo com ele. Acho que foi aí que Hook se abriu à escuridão anterior.

Acha que Hook é como o pai, tirando tudo que seu pai fez?
É interessante porque algumas vezes Hook se retrata sendo similar e não liga para o mundo, mas bem lá no fundo Hook sempre teve um código. Não acho que ele abandonaria um filho ou filhos constantemente como o pai. Acho que bem no fundo ele não faria isso. Não os abandonaria, e nesse sentido eles são diferentes.

Você o viu no navio com Baelfire, e Hook estava disposto a genuinamente desistir da vida de pirata e ser um pai para esse garoto e essencialmente ele o trai. Mas acho que se Baelfire tivesse dito, “Sim, fico aqui com você”, ele desistiria de tudo. Mas então ele faz a coisa mais hedionda quando Baelfire diz que não quer fazer aquilo. Hook o trai completamente. De certo modo, você um suave traço de cavalheiro e depois o lado tirano.

Como foi trabalhar com Jennifer Morrison na primeira parte da temporada já que estavam os dois interpretando lados dos personagens que não tinhamos visto antes?
Olhe, Jen é absolutamente brilhante o tempo inteiro e temos uma boa relação de trabalho no set e gostamos de encenar juntos. É divertido interpretar dois personagens completamente diferentes tentando se relacionar do modo que Hook e Emma anteriores se relacionavam, mas eles constantemente perdem a marca porque são os Dark Ones então foi interessante ver isso. Interpretar o Dark Hook foi muito divertido mesmo. Genuinamente penso que foi uma das melhores temporadas, se não a melhor. Em suma, acho que foi sombria e muito, muito legal. Foi uma ótima temporada.

Tradução a adaptação por Once Upon a Time Brasil e Colin O’Donoghue Brasil – Não reproduza sem os créditos!

Via



Comentários



Design: Isabella Sivic | Programação: Danielle Cabral