Próximo Episódio...
6x05 - “Street Rats”
jorge postou isto no dia 27 de fevereiro de 2015.

lwlw

Once Upon A Time, para a alegria de muitos fãs, está de volta com a segunda metade da 4ª temporada no próximo domingo, depois de dois meses e meio de hiato, e com ela vem o retorno da encantadora e radiante Lana Parrilla, ou como os personagens de Storybrooke a conhecem: Regina Mills (aka Rainha Má). Quando a série de drama e fantasia parou, Regina foi vista rasgando uma página dela e de Robin Hood do livro de histórias mágicas em angústia extrema, depois de vê-lo cruzar a linha de cidade com sua família. Mas de acordo com Parrilla, nem tudo está perdido para Regina, que ainda está se adaptando ao seu status de recém-coroada como um heroína, como esta mudança inesperada dos acontecimentos só irá adicionar combustível no fogo da busca para encontrar o autor com Emma e Henry, e finalmente conseguir o final feliz que ela tanto deseja e merece.

É claro que, sendo esta Storybrooke, um lugar onde maldições e o mal correm desenfreados e gratuitamente, não deve ser surpresa que haverá lutas ao longo do caminho – e não apenas para Regina, mas para todos os personagens de Storybrooke, bem como um novo trio de vilãs marcam presença (ou assim parece à partir da promo mais recente que pergunta se Emma Swan pode ser atraída para o lado negro).

Primeiro de tudo, deixe-me começar dizendo que eu absolutamente amo o seu personagem em Once Upon A Time. Há tantas camadas nela, e você faz um trabalho notável em deixá-las separadas e permite o espectador ver dentro de sua mente e alma.

Muito obrigada.

O final da primeira metade da temporada foi definitivamente muito emocionante para os fãs da Regina, especialmente quando ela rasgou aquela página. Parecia que ela estava desistindo naquele momento de seu final feliz. Você pode nos dizer se a busca pelo autor com Henry (e Emma) ainda vai continuar agora que Robin Hood se foi?

Sim, eles vão continuar nesta busca pelo autor, e que lentamente se torna o foco de Regina. Ela não foi completamente abandonada. Eu acho que ela só se sente condenada. Parece que não importa o que ela faça, você sabe, em termos de suas decisões e escolhas de vida, ela ainda está condenada por este destino e a história que este autor tem escrito para ela. E assim, parece que ela perdeu um pouco de esperança em relação ao Robin Hood. Mas a única maneira de conseguir isso de volta, e a única maneira de recuperá-lo, é reescrever a sua história. Então ela tem esperança de que ela vai conhecer esse autor, encontrá-lo, e vai fazê-lo, e não forçá-lo, a escrever-lhe um final feliz.

Então há uma chance de que seus caminhos se cruzem novamente?

[Risos] Como faço para responder isso sem revelar nada… [mais risos] Eu acho que seus caminhos se cruzem novamente.

Como mencionado, essa cena com Robin Hood sendo forçado a escolher sua família foi muito emocional. Qual foi a experiência em filmar aquela cena, e onde você se inspirou para capturar esse desgosto trágico e a dor em ter que deixar um ente querido ir?

Foi sentido – Quero dizer, é uma história triste. Mas o que vimos naquele momento era a bondade de Regina e sua força em tomar uma decisão que foi muito difícil para ela, mas foi realmente para salvar a vida de outra pessoa. E essas são as ações e comportamentos de um herói, e já vimos que Regina conseguiu tipo uma pós-graduação nisso ao longo dos anos – e mesmo sendo uma decisão difícil, ela sabe lá no fundo que era a coisa certa a se fazer.

Foi difícil filmar essa cena. Foi difícil, mas havia também um certo tipo de força nela que assistimos – que ela meio que chegou a esta vontade de, você sabe, fazer a coisa certa. Ela tem que colocar-se em segundo lugar quando se trata deste tipo de situação de vida e morte, e no passado Regina teria provavelmente escolhido morte. Você sabe, há provavelmente uma maneira mais fácil de se livrar de Marian [risos], mas com este novo tipo de evolução, esse amadurecimento de Regina, ela toma a decisão altruísta. E eu acho que no fim das contas, Robin Hood é alguém que ela ama e ela quer ganhar o seu respeito e ser esse tipo de pessoa bem amada em seus olhos, e por isso essa era a única decisão para ela fazer. A única decisão para ela era enviá-los para um mundo sem magia para curar Marian. Eu acho que foi um momento muito heroico da parte dela.

Concordo. Foi difícil para você emocionalmente para fazer essa cena?

Não, não foi muito difícil emocionalmente. Eu acho que tem um monte de outros momentos de emoção que vimos com Regina ao longo dos anos, e tem sido tão grande interpretar esses tipos de níveis complexos, as várias camadas de emoções, que não foi difícil para mim fazer aquela cena. É apenas uma história triste para contar, mas não foi muito desafiador em um nível emocional.

Então, parece que Storybrooke nunca consegue uma pausa – se não é uma maldição, é uma Snow Queen louca por família. Quando Once Upon A Time parou, descobrimos que uma vez que você sair da cidade, não há volta, pelo menos por agora. Como é que isto vai afetar a vida dos moradores de Storybrooke, especialmente com a saída de Rumple/Mr. Gold?

Ah, sim, absolutamente. Quero dizer, é uma grande mudança na vida de todos. Henry está perdendo seu avô. Regina está perdendo um amigo em Mr. Gold, mesmo que eles sejam amigos-inimigos, mas eles realmente têm uma dinâmica muito interessante. Eu acho que quando você vê aquele momento no carro com ela e Mr. Gold, há tristeza nos olhos dela, mas também há tristeza para ele – ela não é muito consciente de que ele partiu por outros motivos. Ela pensou que ele estava saindo com Belle e que eles estavam indo dirigir através do pôr do sol, mas isso não é necessariamente como funciona. Mas eu acho que no momento com Mr. Gold, ela vai sentir falta dele estar em torno de alguma maneira. E com Robin Hood [ter ido embora], eu acho que ela está mais uma vez com o coração partido por ter perdido o amor de sua vida.

Quando Once retornar, nós vamos ser introduzidos para as Rainhas das Trevas. Regina tem um passado com Malévola. Na verdade, pode-se dizer que eles eram amigas há algum tempo. Será que vamos ver mais cenas com as duas, e há algo que você pode nos dizer sobre as atrizes que fazem Úrsula e Cruella de Vil?

Então, você vai ver uma história com Malévola e Regina e como elas se conheceram – que é o episódio 14. É realmente um grande episódio; que meio que se liga com o segundo episódio de toda a série, quando ela diz: “Você é minha única amiga.” E você realmente vê no episódio 14 como elas se tornam amigas. Trabalhando com Kristin Bauer, notei que você acabou de fazer uma entrevista com ela…

Sim, na verdade, quando conversamos pela última vez com a Kristin Bauer, ela não pôde deixar de elogiar o tempo de trabalho com você no set. Ela disse que trabalhar com você foi “como o céu” e que você é “a mais apaixonada e divertida atriz” que ela já conheceu.

Ela é simplesmente maravilhosa! Eu adoro ela. Ela é muito generosa, adorável, que realmente se preocupa com a humanidade e a profissão – e isso é algo que nós compartilhamos. Nós realmente amamos o trabalho que fazemos, e as histórias que temos para contar e os personagens que temos para interpretar. Eu simplesmente amo Kristin Bauer, ela é fenomenal. E Victoria Smurfit (Cruella de Vil) e Merrin Dungey (Úrsula) são toneladas de diversão – elas são tão maravilhosas, desafiadoras e divertidas, e elas trouxeram realmente uma grande energia positiva para o conjunto. Tem sido ótimo trabalhar com elas. E você vai ver todas os quatro vilãs – bem, Regina sendo metade vilã, metade heroína [risos] – você sabe, você verá todas nós interagindo, e há um monte de cenas com todas nós chegando na segunda metade desta temporada.

Isso definitivamente soa emocionante!

Sim, é muito divertido. Eu não posso dizer-lhe como todas elas estão ligadas, mas vai ser uma viagem divertida para o público.

As fantasias e roupas do show são absolutamente incríveis, as suas incluídas. Já houve um momento em que você ficou com um pouco de inveja do guarda-roupas de alguém (ou um item de vestuário particular) do show?

Eu diria que tenho muita inveja do faux fur [casaco de pele falso] de Cruella [risos]. Eu tenho um pouco de inveja dela nos momentos em que estamos no meio da floresta e está congelando, e ela tem aquele enorme casaco monstro que todos nós meio que queríamos rastejar para dentro dele [risos]. Seus trajes são fenomenais. Eu não tenho inveja de tudo, apenas admiro como tudo se junta neste show em relação às roupas – Eu absolutamente amo as dela [Cruella].

Tinha uma roupa quando eu entrei no departamento de figurino para uma montagem, um vestido que era para Malévola, e eu realmente pensei que era meu. E eu disse: “Oh, eu vou fazer a Rainha Má de novo? Estou tão animada!” E eles disseram: “Não, isso é da Malévola”. E eu pensei, “Oh, que chatice! Uau, ela vai parecer surpreendente” [Risos] Mas, de novo, eu não sou invejosa – há um amor pela moda, a arte por trás disso, e por isso, quando eu vejo essas mulheres andando no set parecendo fabulosas, eu celebro isso. Eu acho que é ótimo e nos faz sentir bem, além de que ajuda o seu desempenho e eles realmente apoiam o personagem. Eu amo isso – você sabe, todo mundo está parecendo formidável e belo! Toda vez que nós quatro trabalharmos juntas, há uma grande quantidade de elogios que voam ao redor, o que é muito bom para a experiência – apoiamos umas às outros, temos uma nas costas da outra, e isso é algo que eu tenho sorte de experimentar com estas mulheres.

Você tem bastante sorte por não interpretar apenas um personagem na série, mas sim dois, o que realmente lhe dá a chance de aprimorar suas habilidades de atuação. Estou curioso, no entanto, sobre que tipo de personagem você gostaria de interpretar que ainda não teve a chance? Não necessariamente tem que estar em Once.

Bem, deixe-me pensar, há tantas versões diferentes de Regina. É engraçado porque eu comecei a interpretar Úrsula, o que é interessante, uma vez que agora temos a Úrsula real com a gente. Não, quero dizer, eu não consigo pensar em mais ninguém, como quaisquer outros vilões do sexo feminino que eu gostaria de interpretar. Estou muito feliz e satisfeita com os papéis que eu tenho conseguido. Você sabe, existem várias versões diferentes do meu personagem. Tem sido muito bom para a criatividade. Se eles colocarem algum no meu caminho, eu vou levá-lo à frente e ficaria feliz em fazê-lo – e eu vou fazer isso com o melhor de minha capacidade [risos].

Então, essa é uma pergunta um pouco aleatória, mas se você tivesse que escolher uma música tema para a vida de Regina, qual seria e por quê? E para si mesma?

Tem aquela música do Imagine Dragons, “Demons”, que eu disse que é a música de Regina. Eu tuitei isso há muito tempo atrás, cerca de um ano atrás ou mais. Eu acho que é uma boa música para ela. Também ouço “Mother I’m Alive” do Hot As Sun – que é outra canção da Regina. Na verdade, eu tenho uma playlist da Regina [risos]. Eu faço, eu tenho uma playlist da jovem Regina e eu tenho outra da Regina adulta para a Rainha Má, embora algumas das canções que estão nessa sejam muito obscuras e não são realmente apropriadas mais.

Com toda essa conversa sobre o show, eu estava me perguntando, o que você anda assistindo em seu tempo livre?

Eu realmente gosto de assistir Game of Thrones, e Breaking Bad tem sido muito divertido de assistir. Eu também adoro American Horror Story, porque eu amo esse gênero, eu acho que realmente fala comigo. [Risos] Eu amo o horror. Eu gosto de thrillers. Eu gosto de estar com medo. Então, American Horror Story é um dos meus favoritos, e Jessica Lange é realmente uma das minhas atrizes favoritas de todos os tempos, então eu realmente gosto de assistir seu trabalho.

Eu li que você é muito próxima de Jared Gilmore, que interpreta seu filho no show. Ele chega a considerar você um membro honorário da família. Será que a sua experiência com ele no show e fora do set ajuda você de alguma maneira em assumir o papel de madrasta em sua vida pessoal? E como você está curtindo este novo capítulo em sua vida?

Oh, eu adoro isso! Obrigada por perguntar. Eu amo minha família e ser uma madrasta – é estimulante e gratificante em muitos níveis diferentes. Na verdade, tem sido interessante. Eu sempre fui muito boa com crianças, sempre amei crianças. Então, é muito natural para mim cuidar dessas crianças e amá-los como se fossem minhas. E, na verdade, eles têm me ajudado mais com Regina, e não o contrário. Então, não é a minha relação com o Jared ou a relação de Regina com Henry que realmente me ajudou a ser um grande madrasta – mais uma vez, foi o contrário. Meus três filhos têm realmente me ajudado a ser uma melhor atriz em interpretar a madrasta.

Finalmente, há alguma coisa em que você está trabalhando no momento que nós talvez não sabemos, ou que você gostaria de contar para os nossos leitores?

Estou trabalhando em alguns projetos, mas não posso dizer-lhe os detalhes ainda. O que posso dizer é que um é um reality show, e também temos um projeto que está sendo escrito agora – estamos criando, ou seja, minha empresa e eu, alguns projetos divertidos para se alinharem no futuro. Mas não há nada que eu possa realmente falar neste momento, infelizmente [risos].

Bem, muito obrigado pela entrevista, Lana. Tem sido um prazer absoluto falar com você. Desejamos-lhe sucesso contínuo com o show e com os projetos futuros. Nós mal podemos esperar para saber mais sobre eles quando chegar a hora!

Muito obrigada!

 

Via

Tradução e adaptação: OUATBR – Não reproduza sem os créditos!



Comentários



Design: Isabella Sivic | Programação: Danielle Cabral